Nos contate pelo Whatsapp

Soneca ao dirigir: como o seu carro sabe que você está cansado

Criado em 19/04/2024

Seu carro pode estar espionando sem você saber. Mas é por um bom motivo: os detectores de cansaço são aliados para evitar cochilos ao volante e cansaço. Aplicada primeiro nos Volvos, a tecnologia surgiu em 2007 e foi sendo aprimorada desde então. Não são poucos os carros equipados com detectores de atenção.

"O sono e o cansaço são um dos principais fatores de risco no trânsito. Quando a pessoa está com sono, ela tenta relutar. Pode ser aumentando o som do carro, abrindo a janela, mas nada disso surte efeito. Você tem que parar para descansar. Essas tecnologias têm como auxiliar ao chamar a atenção do condutor que está cansado", adverte Renato Campestrini, advogado especialista em trânsito, mobilidade e segurança do Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV).

 

De acordo com o ONSV, 50% dos acidentes nas rodovias são causados pela sonolência e cansaço, o que torna o problema quase tão arriscado quanto dirigir alcoolizado. A entidade lembra que a cafeína pode espantar um pouco o sono, mas não o cansaço. E que os descansos devem obedecer a alguns pontos. Em caso de viagens longas, a orientação é que o motorista faça paradas a cada quatro horas. O descanso deve levar entre 10 e 15 minutos. Em caso de trânsito pesado, o ONSV recomenda que a paradinha seja feita a cada duas horas. Os fabricantes não utilizam apenas um tipo de sensor para detectar o cansaço/fadiga. Alguns usam câmeras, outros utilizam sensores espalhados pelo carro.

A primeira opção vale de uma câmera voltada para você e já foi praticamente abandonada. Longe de ser um Big Brother, ela está lá para detectar padrões perigosos, pode ser uma piscada longa ou até o fechamento dos olhos, entre outros comportamentos.

 

Nem sempre essa câmera está apontada para você. Quando aplicou o primeiro sistema do tipo em modelos de produção, a Volvo preferiu usar uma câmera externa, pois as internas ainda não estavam desenvolvidas o suficiente naquele estágio tecnológico. Atualmente, o estágio de desenvolvimento das câmeras internas não é mais problema. O aparelho é capaz de vigiar a sua desatenção mesmo de noite, porque utiliza infravermelho para seguir as suas reações. Porém, tal saída tem perdido espaço para os sensores.

 

Os sistemas mais comuns em automóveis mais baratos seguem outros parâmetros. "O sistema de detecção de fadiga não utiliza câmeras e analisa o nível de atenção do motorista com base em fatores como o padrão de direção (saídas recorrentes de faixa, aceleração e frenagem bruscas, por exemplo) e tempo de viagem. A partir daí fornece, uma única vez, um alerta sonoro e visual no display central do cluster recomendando um descanso caso sinais de fadiga forem detectados", Rodolfo Stopa, Diretor de Produto da Hyundai Motors do Brasil - a marca tem o equipamento no Creta.

 

Para saber qual é o seu padrão de direção, alguns sistemas gravam como você estava dirigindo antes. Assim, o equipamento de segurança pode detectar os desvios. "Nossos itens de segurança são pensados desde o início do desenvolvimento do carro. O Sensor de Fadiga analisa a forma como o motorista dirige e compara com os 15 primeiros minutos de direção, em velocidades acima de 60km/h. Caso detecte um desvio no comportamento ao volante, o equipamento emite um alerta, sugerindo uma parada para descansar e tomar um café", esmiúça o Antonio Carnielli Jr, diretor adjunto de Engenharia de Carroceria, Acabamento, Segurança Veicular e Pré-Desenvolvimento da Volkswagen.

 

O dispositivo está disponível no Polo, Virtus, Nivus, T-Cross, Taos e Jetta. "Caso o motorista não realize a parada e o padrão de fadiga seja mantido durante 15 minutos a velocidades acima de 60km/h, outro alerta é emitido. Reforçando assim a necessidade de fazer uma pausa. O sistema tem sua análise reiniciada uma vez que o cliente realiza um ciclo de ignição (desligar e ligar o veículo). A partir desse momento uma nova coleta de dados de fadiga é iniciada, para que, se necessário, emita alertas", completa.

 

Detectar mudanças no comportamento do carro também é a saída usada pela Stellantis. "O carro basicamente reconhece através do comportamento de leitura de faixas e carga no volante se o comportamento do motorista indica sonolência. Se estiver sonolento ele pode, por exemplo, deixar o carro se afastar da faixa de rolamento para depois "puxá-lo" de volta com o volante", explica Geraldo Barra, responsável pela Customer Experience da Stellantis para a América do Sul.

 

"Outras manobras também indicam se ele não estiver efetivamente controlando o carro. Sinal de sonolência. Nestas condições, o sistema dispara alarmes sonoros ou visuais. Além disso, aparece no centro do painel uma xicrinha de café sugerindo uma pausa para se restabelecer", conclui.

 

Alguns modelos são mais insistentes e avisam várias vezes, talvez uma única vez não seja o suficiente. E quanto à privacidade? Já há algumas regulamentações a respeito disso. A União Europeia criou uma regulação dos sistemas de monitoramento do motorista e permite que a tecnologia não deve gravar continuamente o comportamento ou manter nenhum dado além do necessário, além de prever a destruição deles logo após o uso. Ninguém pode ter acesso às informações. Você pode respirar aliviado, mas não vale relaxar demais.

 

Matéria completa disponível em: https://www.uol.com.br/carros/noticias/redacao/2022/07/22/soneca-ao-volante-como-o-seu-carro-sabe-que-voce-esta-cansado.htm